08 outubro 2005

Cactos e Bonsais

Tempos atrás resolvi devia cuidar de um Bonsai. Não sei ao certo de onde nasceu esse súbito inesperado mas decidi que seria assim. Cuidar de bonsai exige estudo, cuidado, dedicação. Não é a toa que existe mmuitos bonsais mais velhos que seus donos, aqueles que sobreviveram a mais de uma geração. Era um execrcio a paciencia, que de certo quem me conhece sabe que não tenho. A beleza da pseudo arvore é conseguida não sem muito esforço, e sua beleza é a retribuição da do bonsai pelo cuidado dispensado. Uma espécia de troca em que os 2 sempre saiam ganhando, o equlibrio de quem dá e recebe algo em troca.
Ví no bonsai um ideal da vida.
Cuidava dele, molhava, cultivava, adubava a terra. No começo não sabia se tinha que jogar muita agua ou pouca agua, então alternava entre o muito e o pouco, podar e não podar, adubar e ficar sem adubar.
Ele era belo, uma aparencia antiga mas forte, atraia o olhar. Esperava aprender a cuidar dele dessa forma e acreditava que ele se adaptasse ao meu modo da mesma maneira. As vezes ele bebia agua demais devido a minha inexperiencia e as vezes dava-lhe pouca agua para compensar o possivel pesar.

Aos pouco ia aprendendo como cuidar dele e fazendo cada vez mais as coisa mais certas e em troca me devolvia em forma de beleza. Foi assim durante semanas. Eu olhava para o meu bonsai todo dia na esperança de ver algo diferente nele, era um exercicio para minha paciencia. Procurava beleza, cada vez mais beleza, mas todo dia, todo dia, todo dia ele estava do mesmo jeito, absolutamente nada havia mudado. Naveguei por sites, visitei feiras e lá estava o "bonsai do vizinho" verdinho, seus donos felizes. Mas meu bonsai em casa havia amarelado um pouco nos ultimos tempos. La fui eu perguntar ao "vizinho" qual era o segredo de deixar o bonsai tão bonito ? O segredo era: - Adube com esse substrato, molhe com água filtrada, deixe ao sol pela manhã, vez por outra pode-o..." Ora, ja havia feito tudo aquilo, o tempo ja havia me ensinado a cuidar direitinho do meu bonsai, já não aguava demais, nem podava demais, nem o adubo era tanto mais que o necessário. Ali enfrente ao "vizinho" apenas concordava com a cabeça, mas distante em pensamento pois nada me acrescentava.
Eu havia aderido as "receitinhas da vida" e cuidava do meu bonsai como tal. Meu bonsai também num estranho súbito inesperado morreu, as folhas cairam e ficaram apenas os tronquinhos como o de uma floresta depois de um incendio. Não entendi.

Cactos, isso sim é que é planta. Após uma das várias visitas ao shopping encontrei uma floricultura que vendia um belo cacto pela bagatela de R$ 500,00 (valha-me Deus, que isso !?). Mas fiquei ali observando a espinhuda planta.
Num vaso todo de vidro com uma areia fininha lá estava ele como num deserto. No vaso certo decorado como tal. Solitário, inóspito, sem cheiro, e sequer podia ser tocado, era a antítese do meu finado bonsai, os espinhos estão sempre lá pra nos lembrar disso. Ao contrario do bonsai, os cactos tem de sobra uma liberdade arrebatadora. Cactos não são semeados, não precisam de muitos cuidados, não são convidativios `as pragas, quase não precisam de água e o pouco que tem na terra sugam tudo. Cactos é a excelência da liberdade pois não anseiam serem admirados e quando são nao pedem nada em troca. Cativam sem criar cativos, pela pura liberdade de ser o que é. Suas raizes são razas,não aprofundam muito basta lhe pouco para se manterem. Se aproveitam do frio e deliciam com o sol, se não tem agua ele tem seu reservatório proprio, se tem agua ótimo, nunca é demais. Não são grudentos, os espinhos lhe conferem a segurança de amigos a uma distancia segura e de inimigos tbem. Diferentemente do meu finado bonsai, ja tenho 17 diferentes cactos, todos num vaso de vidro nenhum deles morreu e crescem a cada dia. Não me deixam preocupado quanto aos cuidados, pois cuidar bem de cactos é deixa-los lá quietos e a distancia como sugerem os espinhos. Admira-lo não suga nada de mim nem exige nenhum cuidado especial, ficam felizes pela admiração, mas não nos quer por perto durante muito tempo. São assim porque são assim, livres.

Existem pessoas cactos e pessoas bonsais. Um cacto não pode estar no mesmo vaso que um bonsai. Ou o cacto morrerá de tanto cuidado ou o bonsai pela falta dele e se ainda sim o destino nao der fim a um deles, quando crescerem o cactos sufocara o bonsai pelos seus espinhos na ansia de ficar um tempo a sós. Pessoas Bonsais são comos agiotas, bons amigos no começo mas chega uma hora que sua dívida fica impagável, e qdo vc descobre eles ja sao donos até da sua alma e da sua alegria. Estar preso a eles os mantem vivo e felizes e vc triste e sem mais nada a conseguir....

3 Comments:

Anonymous Sarah Cazella said...

De todos os seus textos que já li, esse me comoveu... idAlo!!!!!!!!!!!!!!!!

5:35 PM  
Blogger  said...

Lindo texto... Eu estava navegando na NET pesquisando exatamente sobre os Bonsais... Eu tenho um. Lindo que só vendo... Tem dois anos. Cuido dele com todo carinho... Bonsai tem essência inexplicável... Ele sempre foi muito verdinho... Folhinhas nasciam a cada dia... Essa semana de uma hora para outra eu acorde para colocar a água de todas as manhãs e depois colocar ele para senti o Sol da manhã... Quando olhei levei um susto: Meu Bonsai parecia outro... Triste... Todas as folhas haviam caido... Eu não entendi no dia anterior ele estava perfeito!!! Estou muito triste... A verdade, é que ainda tenho esperança que ele não tenha morrido... Criei uma ligação forte com ele. Gostei da comparação que você com o Bonsai e o cacto!

4:57 PM  
Anonymous Anônimo said...

Olá!Estava tentando salvar um de meus cactos qdo encontrei seu texto e ameiiiiii.
Infelizmente o tipo Bonsais de pessoas são a maioria e vc esqueceu de acrescentar a palavra parasita porque com o tempo é isso que elas se tornam.
AMEIIIIIII.............

12:14 PM  

Postar um comentário

<< Home